Artigo

Princípios biológicos do tratamento endodôntico de dentes com polpa necrosada e lesão perirradicular

                     O profissional que pratica a Endodontia se depara rotineiramente com três condições básicas que requerem tratamento endodôntico: polpas vitais, polpas necrosadas e casos de retratamento. O sucesso do tratamento endodôntico depende do reconhecimento das idiossincrasias de cada uma destas três condições. Canais radiculares contendo polpa necrosada e lesão perirradicular representam um problema infeccioso e devem ser tratados de forma diferenciada dos dentes com polpa viva (sem infecção). O sucesso do tratamento endodôntico nestes casos vai depender do controle da infecção exercido pelo preparo químico-mecânico, medicação intracanal e obturação. Este artigo revisa os princípios biológicos do tratamento de dentes com polpa necrosada e infectada, visando fornecer ao clínico as condições para a melhora no resultado do tratamento endodôntico destes casos.

As três condições clínicas que o profissional lida no dia a dia da prática endodôntica e que requerem intervenção incluem dentes com pulpite irreversível (biopulpectomia), com necrose e infecção pulpar (necropulpectomia) e casos de retratamento.

 

ALGUNS CONCEITOS

 

“Endodontia é a especialidade da Odontologia que trata da prevenção, diagnóstico e tratamento das enfermidades da polpa e de suas repercussões sobre os tecidos da região periapical”.

“É um campo da Odontologia que trata da morfologia, fisiologia e patologia da polpa dental humana e dos tecidos periapicais”.

“A Endodontia é a área da Odontologia que se ocupa da prevenção e tratamento das doenças que ocorrem na polpa e no periápice dental”.

“Endodontia é a especialidade da Odontologia que estuda a morfologia, a fisiologia e a patologia da polpa dental e dos tecidos perirradiculares. Envolve a biologia da polpa normal, a etiologia, o diagnóstico, a prevenção e o tratamento das doenças e injúrias da polpa e das condições perirradiculares associadas”.

“O âmbito da Endodontia inclui, mas não é limitado ao diagnóstico diferencial e ao tratamento da dor de origem pulpar e/ou periapical; terapia da polpa vital como capeamento e pulpotomia; tratamento não cirúrgico do sistema de canais radiculares com ou sem patologia perirradicular, obturação do sistema de canais radiculares; remoção cirúrgica seletiva de tecidos patológicos resultantes de patologia pulpar; reimplante intencional e reimplante de dentes avulsionados; remoção cirúrgica de parte da estrutura dental como apicectomia, hemissecção dental e ressecção radicular; implantes endodônticos; clareamento dental; retratamento endodôntico; e procedimentos relacionados às restaurações coronais que envolvem o espaço do canal”. (Glossary Contemporary Terminology for Endodontics, AAE 2003)

Tratamento endodôntico revela que na prática clínica, o profissional pode se

deparar basicamente com três condições endodontias que requerem

tratamento – polpas vitais, polpas necrosadas e casos de retratamento.

Endodontia é a especialidade da odontologia responsável pelo estudo da polpa dentária, de todo o sistema de canais radiculares e dos tecidos periapicais, bem como das doenças que os afligem. Em casos de alterações por cárie, fraturas dentárias, trauma dentário, trauma ortodôntico, lesões endo-periodontais, necessidades protéticas e outras patologias endodônticas, o tratamento endodôntico (ou o tratamento de canal) está indicado, visando a manutenção do dente na cavidade bucal, e a saúde dos tecidos periapicais.

 

Dr. Ana Luisa carvalho